Bem-vindo à BOL. O nosso site usa cookies e outras tecnologias para personalizar a sua experiência e compreender como você e os outros visitantes usam o nosso site.
Para ver uma lista completa das empresas que usam estes cookies e outras tecnologias e nos informar se podem ou não ser utilizadas no seu dispositivo, aceda à nossa página de política de cookies.

Concordo
Distrito Sala
Detalhe Evento
Exercícios para Joelhos Fortes

Exercícios para Joelhos Fortes

Teatro & Arte | Teatro

Teatro da Politécnica

Teatro Politécnica
Classificação Etária
Maiores de 16 anos
Bilhete Pago
Todas as Idades
2021
set
29
a
2021
out
16
Realizado

Duração

90 minutos

Abertura Portas

19:00

Intervalo

Sem Intervalo.

Promotor

Artistas Unidos

Preços

EXERCÍCIOS PARA JOELHOS FORTES

 

Texto | Andreas Flourakis

Encenação | Carla Bolito

Com | Álvaro Correia, Carla Bolito, Rita Rocha, Vicente Wallenstein

Tradução | José António Costa Ideias

Cenografia | Marcello Urgeghe

Figurinos | Ricardo Preto

Desenho de luz | Daniel Worm

Fotografia | Alípio Padilha

Sonoplastia | Rui Dâmaso

Produção, comunicação e gestão financeira | Estado Zero

Coprodução | Teatro do Noroeste - Centro Dramático de Viana

 

Duração| 55m (aprox.) s/intervalo

M/16

 

Estrutura financiada por Direção-Geral das Artes, Fundação GDA

Apoio Artistas Unidos, Antena 2, ACCCA - Companhia Clara Andermatt, Ulisses Hair Care

 

Rapariga Se quiseres, deixa-me grávida, não me importo. Se ficar grávida de ti, terei o meu trabalho garantido.
Andreas Flourakis, Exercícios para joelhos fortes

 

A directora de uma empresa decide despedir um dos seus dois funcionários. Para manter o emprego estes sujeitam-se a todo o tipo de situações, entrando num jogo de competição e de humilhação onde vão precisar de nervos e joelhos fortes para sobreviver.

 

Uma encenação de Carla Bolito de um aclamado texto de Andreas Flourakis, um dos dramaturgos gregos contemporâneos que mais tem agitado a cena teatral grega e cuja obra ainda é pouco divulgada em Portugal.

Uma abordagem cruel e sarcástica da violência das relações laborais, ampliadas pelas crises económicas que abalam, uma e outra vez, a Europa ou uma ideia de Europa.

O lema ‘salve-se quem puder’ tornou-se ponto pivot nas relações interpessoais, assoladas pelo medo dos despedimentos e do desemprego prolongado como ‘nova normalidade’. Nesta peça a catarse faz-se através do humor ácido e de jogos linguísticos: ganha quem consegue ajoelhar-se.

 

-
Partilhar

Serviços Adicionais

Veja ainda:

Lua Amarela

Teatro & Arte | Teatro

Teatro da Politécnica

Teatro Politécnica